• Coopermais

Vantagens da Inseminação Artificial

A genética do rebanho é um dos fatores que nos indicam o potencial desses animais para atingirem sua máxima produtividade leiteira e quando é somada a nutrição balanceada, sanidade, reprodução e ambiência vemos na prática isso acontecer.


Para explorar melhorias genéticas temos a inseminação artificial que possibilita uma ampla variedade de touros com alto valor genético testados, menor risco de transmissão de doenças e menor risco de acidentes de manejo.


Já quando falamos em pontos negativos do uso de inseminação artificial, um dos principais argumentos são os custos. Para começar a prática na propriedade temos um investimento em um curso (R$ 1000,00) + botijão e equipamentos (R$ 1.500,00 usado ou novo R$ 3.000,00) + custo mensal de abastecimento de nitrogênio (R$ 60,00 a 90,00) e sêmen (R$ 40,00 a 90,00 na média). Ou seja, mesmo contando o investimento inicial, é mais barato inseminar do que comprar um touro e muito mais barato manter o botijão e as doses de sêmen do que alimentar o touro na propriedade.


Agora, também sabemos que não é só isso que faz termos sucesso no uso da inseminação artificial, além de saber inseminar, o grande desafio do produtor é a identificação de cio, que irá determinar grande parte do sucesso quando somado ao acompanhamento reprodutivo veterinário e sanidade do rebanho. O cio começa a ser demonstrado com maior agitação da vaca, menor consumo de alimento, seguido por monta nos outros animais, até esta ficar parada ao receber monta de outro animal, neste momento ela estará ovulando em breve, por isso deverá ser inseminada após 12 horas desta identificação.


Levando em consideração todos esses pontos é que os produtores Vagner e Patrícia Rosa e família começaram a investir na inseminação e esse mês nasceram as primeiras crias. Do lado direito uma fêmea girolando com pai Blue Devil e do lado esquerdo um macho também com pai Blue Devil. Parabéns a vocês pela dedicação com a atividade, que possamos melhorar juntos cada dia mais!